Hipogonadismo pode causar Ginecomastia?

Tempo de leitura: 2 minutos

A ginecomastia é uma condição bastante desagradável, em que as mamas masculinas adquirem aspecto feminino, pois há um aumento no volume da glândula mamária. Embora o portador não corra riscos graves, a condição gera desconforto e problemas de autoestima. Por isso, muitos homens procuram tratamento médico nessas circunstâncias, que envolve opções cirúrgicas ou tratamento medicamentoso.

O que causa a ginecomastia é um desequilíbrio entre os níveis de testosterona (hormônio masculino) e estrogênio (hormônio feminino). Esse descompasso hormonal pode possuir diversas causas, e uma delas é o hipogonadismo.

O que é hipogonadismo?

O hipogonadismo é uma condição em que as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem os hormônios sexuais em quantidades suficientes, desencadeando problemas de fertilidade, pois a produção de espermatozoides e óvulos é comprometida.

Essa doença pode ser causada por problemas que ocorrem diretamente nas gônadas, situação denominada hipogonadismo primário. Alguns dos hormônios que fazem os testículos e ovários funcionarem, contudo, são produzidos pela glândula hipófise, localizada na base do cérebro. Quando os problemas nas gônadas têm origem na hipófise, trata-se de hipogonadismo secundário. Independentemente da origem do problema, o hipogonadismo pode se manifestar desde o nascimento ou apenas em certa altura da vida.

Qual a relação entre hipogonadismo e ginecomastia?

A maioria dos casos de ginecomastia relacionados ao hipogonadismo aparece em casos de hipogonadismo primário. O hipogonadismo secundário responde por apenas 20% dos casos de ginecomastia associados a esse problema. A relação entre uma condição e outra ainda não está totalmente esclarecida, mas tudo indica que a baixa produção de testosterona coloca-a em desequilíbrio com os índices de estrogênio, causando o desenvolvimento das mamas nos homens.

Outros sintomas

Nos homens, além da ginecomastia, os desequilíbrios hormonais típicos dos casos de hipogonadismo também podem apresentar outros sintomas, como redução na quantidade de pelos pelo corpo, dificuldade de ereção, infertilidade, perda de massa muscular, ganho de gordura, falta de energia e perda de libido.

É possível tratar?

Nos casos de hipogonadismo que têm origem na glândula hipófise, como é o caso de tumores, por exemplo, a cirurgia ou o uso de medicamentos são as possibilidades de tratamento.

Por outro lado, se o hipogonadismo tem causas não tratáveis, como lesões testiculares por traumas, o tratamento consiste na administração de medicamentos e reposição hormonal.

Apenas o médico pode avaliar clinicamente o paciente, identificar as causas do problema e recomendar o tratamento mais indicado.

Observação: Antes de iniciar o tratamento para a ginecomastia (seja ele medicamentoso ou cirúrgico), é preciso tratar as condições subjacentes, como é o caso do hipogonadismo.

Comentários do Facebook